Zeng, o construtor


img1

Podemos construir? Podemos sim. Podemos consertar? Podemos sim.” Quem tem filhos pequenos certamente já ouviu o refrão do tema de “Bob, o Construtor”. O personagem, astro do canal Discovery Kids, é um simpático empreiteiro, rodeado de máquinas animadas, como escavadeiras, motoniveladoras e empilhadeiras. Na China, este personagem é real. Seu nome é Zeng Guang’han e seu império se chama LiuGong, uma empresa de US$ 1,6 bilhão, dez mil funcionários e que vem se expandindo rapidamente no Brasil. A LiuGong já começou a aparecer – como ameaça concreta – no radar de gigantes como Case, Caterpillar, Hyundai e Komatsu. Até porque, como toda empresa chinesa, a LiuGong é imbatível num aspecto crucial: o preço. Mr. Zeng, como ele é chamado por sua equipe, garante que suas máquinas são, pelo menos, 30% mais competitivas do que as dos concorrentes. Mas faz uma ressalva. “Nossa preocupação básica é a qualidade, e não o preço”, disse ele, numa entrevista exclusiva à DINHEIRO. “Somos representantes de uma China que quer construir empresas eficientes, mas, sobretudo, de classe mundial.”

A história da LiuGong é também um espelho do modelo chinês. Durante anos, a empresa foi parceira da americana Caterpillar. Uma vez adquirida a tecnologia e vencido o contrato, os chineses decidiram caminhar sozinhos. E também se beneficiaram do fato de a China ser hoje o maior canteiro de obras do mundo, com um programa de US$ 450 bilhões em andamento. “Participamos de grandes obras, como estradas, aeroportos e a hidrelétrica de Três Gargantas”, diz ele. Em tamanho, essa usina é comparável apenas a Itaipu. E hoje o maior projeto que vem sendo colocado em marcha pelo governo central é a criação de um sistema nacional de trens de altíssima velocidade, seguindo o exemplo japonês. “Também estamos atuando nisso”, diz ele. 

A pujança do mercado interno chinês de obras públicas, no entanto, não confinou a empresa às suas próprias fronteiras. Em 2004, Mr. Zeng tomou a decisão estratégica de internacionalizar a LiuGong e isso se deu numa velocidade estonteante. Hoje, a empresa tem revendedores em 80 países. A primeira fábrica fora da China está sendo construída na Índia. E uma segunda pode ser instalada no Brasil, que concorre com o México. “A possibilidade de produção local é concreta”, diz Zeng. A região mais cotada para ganhar uma fábrica é Minas Gerais, em razão da vocação econômica do Estado, que concentra grandes empreiteiras e também boa parte do setor minerador. E foi lá que as primeiras máquinas chinesas começaram a ser vendidas no País, trazidas pelo empresário Alberto Orellana, da BH Máquinas. “Fui à China várias vezes em busca de um parceiro confiável e de qualidade”, diz ele. “Já vendi equipamentos para empresas que prestam serviços para companhias como a Vale e a Belgo.” Além dos  revenimg2dedores, a empresa também nomeou no Brasil seu presidente para a América Latina, que é o americano James Donghue, egresso da  Case. A política de recrutamento é também um dos diferenciais da LiuGong. Nos seus quadros, há executivos de diversas nacionalidades, que  já passaram por várias concorrentes. “Nós realmente não queremos ser percebidos como uma empresa de baixo custo, mas como uma  companhia que concorre em pé de igualdade com as gigantes globais”, diz Donghue. O americano, que já havia trabalhado no Brasil, acredita  que este é um dos melhores momentos da história econômica do País e enxerga o PAC como uma oportunidade para empresas ligadas ao  setor de construção. “O Brasil é um dos países com maior potencial de expansão no mundo”, diz ele.

 Mr. Zeng também participou das reuniões entre empresários dos dois países na última missão econômica do presidente Lula a Pequim e ficou  entusiasmado com o tom das conversas. “O Brasil vê a China como um parceiro estratégico e nós enxergamos o Brasil da mesma forma”, diz  ele. Zeng, no entanto, discorda da tese de que os chineses querem apenas importar matérias-primas do Brasil e vender produtos  manufaturados. “Nosso mercado é aberto e 100% competitivo”, diz ele. “Mas como ainda somos um país pobre, não podemos nos dar ao luxo  de pagar mais caro.” Ou seja, ganha quem for mais eficiente. E sua mensagem para os empresários brasileiros é tão simples que caberia num  ideograma. “Tudo o que falarem de ruim sobre a China é mentira; o que falarem de bom é verdade.”

 Por Leonardo Attuch
 Fotos: Egberto Nogueira / Imã fotogaleria

 Fonte: Revista Istoé Dinheiro | Publicado em: Junho 2009

Outras Notícias

Categorias